Seguidores

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Agentes da AMT, concursados, arrogantes, poderosos e incompetentes

Como se não bastasse boa parte do segmento político e outros vestais do mesmo naipe, que se acham acima do povão que lhes paga o salário, agora surge uma extirpe com potencial de azedume ainda pior. Estamos nos referindo à novíssima turma de concursados como agentes de trânsito, que estão azucrinando a vida dos motoristas goianienses, sem contribuir para melhorar o caos cotidiano. Como se fosse uma seleção de futebol às avessas, os amarelinhos da Agência Municipal de Trânsito (AMT) entram em campo para jogar contra seus irmãos brasileiros do cerrado.

Ao contrário do que era de se esperar, esses profissionais saem às ruas não para contribuir com a fluidez do tráfego, orientar pais de família, solucionar problemas ou coordenar o fluxo de veículos nas vias públicas. O foco de seu propósito é apenas multar o cidadão e mostrar um poder acima da média. Como possuem fé pública, seus julgamentos representam uma avenida de mão única e lhes dá um extraordinário domínio.

Não existe nenhuma categoria de autoridade com tamanha autonomia para julgar, condenar, e executar a sentença de uma pessoa quanto um agente de trânsito. O delegado necessita, no mínimo, de depoimentos e investigações antes de agir. Um Juiz só pode decidir uma sentença depois de um infindável rosário de precauções e preceitos jurídicos.

Munido de uma prancheta, óculos escuros e talão de multas, o guardinha afirma que você cometeu um erro. Sua caneta decide o que você deverá pagar e estamos conversados. A palavra dele é a que vale. Não precisa de provas e não carece do contraditório. Existe defesa? Na teoria, sim. Contudo, quantos são os casos em que o condutor do veículo consegue reverter o veredicto? Um percentual ínfimo.

Quer um exemplo clássico? Ofereço vários. Se um arbitrário qualquer juramentar por escrito que você estava sem o cinto de segurança ou falando ao celular – mesmo sem nenhuma prova ou evidência disso –, a multa será lavrada. Conheço médicos que foram multados em horário que realizavam cirurgias, anciões que jamais saem da garagem sem o cinto de segurança e de nada lhes adiantou recorrer do julgamento unilateral.

Experimente indagar a um agente de trânsito qual é seu nome ou dele exigir identificação. Arrogantes, eles estão às ruas sem identidade nos uniformes. Segundo consta, pois arrancam a tarja a seu bel prazer e ameaçam quem lhes exige identificação. Por que ouso afirmar que são incompetentes? Já presenciei, inúmeras vezes, sua inaptidão e escassos conhecimentos da função. Outro dia mesmo, uma dupla de poderosos parou o veículo da AMT numa vaga particular, se recusou a tirar o automóvel, alegando que podia estacionar em qualquer local. Desconhecem que esse direito se refere apenas às vias públicas.

E mais: como são concursados, se lixam para a hierarquia, desrespeitam supervisores e afrontam até o superintendente do órgão. O diligente Miguel Tiago, um homem de fino trato e raro sendo de justiça, sofre horrores procurando direcionar a turma para um convívio mais respeitoso. Quando pode, abre sindicâncias, procura ajustar condutas, mas tem as mãos amarradas pelo sistema.

Enquanto persistirem as distorções, nenhum administrador vai obter sucesso. É necessário criar mecanismos para frear abusos. São poucos os que se atrevem a registrar denúncias. Todos, e com muita razão, temem retaliações. Eu mesmo fui ameaçado de sofrer represálias – algo que já aconteceu no passado – com vinganças em forma de multas. Afinal de contas, eles possuem acesso à placa do meu veículo e dos meus familiares. Mesmo assim, fruto de minha personalidade e convicções pessoais, decidi ir até o fim exigindo que a soberba tenha algum castigo.

É claro que muitos que atuam no órgão agem de forma correta, abominam falta de ética e seguem a cartilha da lei. Esses não fazem mais do que sua obrigação. São pagos para agir assim. Entretanto, principalmente fruto de mais duzentas de reclamações recebidas em meus programas de rádio e TV, apenas nas últimas três semanas, só posso chegar à conclusão que está muito difícil separar o joio do trigo. Não sei como é possível corrigir o problema. Porem, ele precisa ser enfrentado.

Arrepio de pensar que o caldo dos prepotentes será engrossado com o auxílio de guardas municipais armados com artefatos que dão choque. Além de pagar multas, podemos ser torturados com choques elétricos. Afinal de contas, como enfatizou o agente Divanir que procurou me atemorizar: “o senhor que não se atreva a desacatar uma autoridade”. Sabe qual foi minha falta de respeito? Eu insisti em obter o nome dele. Já pensaram um brucutu desses com respaldo de uma arma que provoca ataques epilépticos e faz o sujeito cair babando? Não quero nem imaginar.

Rosenwal Ferreira é Jornalista e Publicitário

81 comentários:

  1. Caneta, prancheta e choque...nem eu quero imaginar.
    E depois de tudo isso, de babar e pagar caro, não consigo ver o efeito benéfico estrutural da arrecadação de tantos recursos. Não me recordo de um executivo fazer referência a alguma estrutura, dizendo que só foi possivel aquela realização devido ao fato da arrecadação injusta das multas.
    Caneta, prancheta, choque e o dinheiro ainda some.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. so reclamam os condutores idiotas que vivem cometendo infracoes, e esse idiota desse jornalista que so sabe falar merda pra aparecer e quem sabe um dia se eleger em um carguinho qualquer.

      Excluir
    2. Com certeza você é um dos babacas incompetentes funcionário da AMT.

      Excluir
    3. E ainda por cima, este infeliz só pode morar no ROÇA, pois é necessário apenas olhar para os lados e ver que este pessoal da AMT são um câncer em Goiânia, não fazem nada, estão sempre atrás da máquina de arrecadação para cumprir suas metas diárias de "faturamento" e após concluído à árdua tarefa, é possível encontrar eles parados, em locais diversos longe do trânsito caótico de Goiânia, curtindo o resto do dia, enquanto segue normalmente as atrocidades cometidas pelos motoristas Goianos, que são tantas a todo momento que nem se pode citar, lógico, não existe fiscalização, e sim comércio de multas.
      E quem

      Excluir
  2. Bom dia Rosenwal...

    Sempre acompanho o senhor pelo Twitter e na TV (@jcfborges) e tenho muito respeito, pois sei como o senhor sempre tenta abordar, resolver ou adentrar um pouco mais em temas polêmicos. Pois bem: esse é mais um! como sei que o senhor adooora um debate, vamos lá!

    Rosenwal, é lamentável que, aqui em nossa cidade, observemos tantas e tantas infrações cometidas em um simples cruzamento a cada minuto. Hoje, como sempre faço rotineiramente, estava escutando a rádio Interativa, programa Falando Sério, nesta manhã. Pude observar várias e várias infrações que aconteciam na rua, entre elas, um pai ou "responsável" deixa de estacionar o veículo no local adequado para fazer o desembarque de seu passageiro para fazer uma manobra em um cruzamento sobre duas faixas de pedestre para deixar sua criança, que é mais alta do que eu (tenho 1,71m), mais próxima da escola... e que vá pro espaço o direito ao trânsito seguro a que todos os demais condutores têm direito. Fala sério Rosenwal, o cara fez 5 manobras sobre a faixa de pedestre: minha pergunta: e se ele fere a alguém?!
    Estou falando disso, pq ele é uma gota num oceano, que é a falta de educação dos motoristas de Goiânia.
    Lamento o senhor utilizar a sua imensa credilibidade para acusar desenfreadamente a categoria dos agentes municipais de trânsito. Ela seria mais bem utilizada se fosse para fazer uma denúncia e, não, para tentar acabar com uma categoria exigida pela nossa lei infraconstitucional, o Código de Trânsito Brasileiro. Recomendo ao senhor ver o último documentário de uma semana sobre o trânsito no Brasil exibido pelo Jornal da Band. Goiânia é uma das capitais com o trânsito mais violento no Brasil. Por que isso? a impunidade. Os condutores goianienses se acostumaram à falta de fiscalização, haja vista o nosso contigente atual para a fiscalização do trânsito: são 300 agentes para 900 mil veículos, quando o recomendado seria, no MÍNIMO, 1000 agentes para essa quantidade de veículos.

    ResponderExcluir
  3. continuando...


    Os agentes tentam fazer o que conseguem fazer. O senhor veja o absurdo: semana passada, eu e mais um colega fiscalizávamos por uma reclamação da vizinhança à AMT a região onde fica a Igreja Videira na T-7 esquina com T-3. Quando chegávamos ao término dos trabalhos, uma pessoa da Igreja, leia-se um senhor de aproximadamente 50 anos, veio até nós e disse que estávamos errados em tentar consertar aquilo, que não tínhamos o que fazer, pois as pessoas só estavam orando. Perdi a paciência com ele, e, nesse momento, vi do outro lado da rua uma mãe conduzindo um carrinho de bebê pela rua, no mesmo cruzamento citado; veja: ela deixou de transitar pelo passeio, pois estava tomado por carros estacionados irregularmente, onde seria o espaço para os pedestres transitarem, então, falei para o senhor olhar para aquela cena e disse: e se acontecesse um acidente heim?! ele ficou sem ter o que falar e saiu.


    Agora, vamos ao seu texto:

    1. O senhor utiliza a expressão azucrinar, mas não é esse o trabalho dos agentes Rosenwal, e sim, fiscalizar autuando os infratores em suas infrações, o poder de polícia dos agentes é vinculado e, não, discricionário.

    2. Se os agentes não contribuem para a fluidez do trânsito, eu queria saber o porquê de eu ter ficado, na semana passada, 3 horas em pé apitando num semáforo danificado na Av C-4 com C-1, juntamente com mais 4 colegas que ficaram no local por mais 2 horas até que o problema do semáforo fosse resolvido. O problema do semáforo: uma pessoa abandonou um objeto sobre a borboleta que aciona a fiscalização eletrônica, danificando uma aparelho: vandalismo!
    Agora o comentário do senhor sobre o nosso único objetivo (MULTAR) é tão ausente de fundamento, pois veja bem: os agentes não recebem pontuação, não recebem gratificação, nem nada por terem feito 500 autos em um dia ou não terem feito nenhum. O desejo dos agentes é orientar e punir os infratores, pois o nosso trânsito está um caos. Agora, se a Administração Municipal é beneficiada com isso... já é um problema de outros órgãos, que devem fiscalizar o usufruto desse dinheiro da arrecadação para benefício da população.

    ResponderExcluir
  4. continuando...


    3. Todos os órgãos de fiscalização da Administração Pública possuem o Poder de Polícia. Talvez, nenhum dos agentes desses outros órgãos o tenham abordado ainda! Outra coisa: todos possuem direito a recurso administrativo e judicial.

    4. Por favor, guardinha não! Somos agentes municipais de trânsito: só isso. Já pensou se todos os recursos fossem deferidos? nem haveria razão para existirem os agentes, pois o nosso trânsito seria perfeito, afinal todos estão certos!
    Outra coisa, vamos corrigir isso: os agentes não multam, eles autuam os infratores. Quem multa é a autoridade municipal de trânsito: no nosso caso, a AMT.

    5. Os seus conhecidos que foram autuados enquanto trabalhavam em suas devidas salas podem transferir a pontuação recebida de seus veículos para os verdadeiros condutores dos mesmos. Outra coisa que tem acontecido muito na nossa cidade é o crescente aumento dos veículos clonados: um problema complexo que tenta ser solucionado pelas autoridades responsáveis e competentes!

    6. Estamos sem identidade nos uniformes porque não há ainda interesse da AMT em nos identificar, sempre solicitei minha plaqueta de identificação desde quando entrei na Agência, até hoje, não recebi: concordo com você, isso é uma pena!
    Não entendi esse negócio de vaga particular em via pública!

    7. Se o Presidente da Agência tem suas mãos amarradas, a conclusão a que chego é a de que estamos em meio ao caos!
    Ai dessa nova "turminha" de agentes que estão em seu estágio probatório! Esse argumento do senhor não é muito bom não!

    8. Quer maior retaliação do que a de um policial militar fora de serviço que aponta uma arma para um agente que autuou o veículo do mesmo policial? Pra te falar a verdade, nós nem temos acesso a essas informações que o senhor fala: somos agentes de trânsito e não policiais do FBI.

    ResponderExcluir
  5. 9. O problema só será solucionado quando esta geração de condutores passar e se estivermos certos de que a geração que está sendo formada é absolutamente educada a ponto de dominar o Código de Trânsito Brasileiro. O senhor poderia utilizar a sua credibilidade para falar sobre isso, estimulando o corpo político municipal para se atentar a isso.

    10. É uma pena o senhor tratar uma entidade como a Guarda Municipal dessa forma. Aqueles que tratam os criminosos com o rigor da lei deveriam ser admirados por todos nós! não admiramos tantos as polícias americanas?! as nossas também deveriam ser tratadas da mesma forma! Mais uma coisa: desacato ao funcionário público no exercício de suas funções é crime do art. 331 do nosso Código Penal.

    Rosenwal, por favor, não leve a mal minha resposta, só estou discutindo o tema! espero que minha opinião seja considerada pelo senhor. Às vezes nos irritamos quando somos penalizados de uma forma ou de outra, mas se pensarmos bem, tudo isso é para o bem de todos! um dia ainda teremos um trânsito seguro na nossa querida cidade com condutores e pedestres conscientes sobre seus direitos e deveres!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Sr. Julio,

      Detesto pessoas que generalizam, esse Senhor Rosenwal Ferreira é um chato mesmo.

      Excluir
    2. Só um guardinha da amt mesmo pra querer se defender...não tem nem argumentos. Cara de pau. o Senhor Rosenvwal Ferreira está certíssimo. Vc o diz porque é um deles, faz parte desse sistema de multas. Até hoje ainda não vi uma outra função senão a de multar.E pelo que sei vocês (guardinhas) tem incentivo sim. Não é por multa, mas sim por estar no trânsito. Porque não citou isso no seu lindo comentário? Vai crescer. Quero ver se sair desse servicinho e ser multado pelos seus caros colegas se vai parabenizar eles. Se toca...

      Excluir
  6. Sr. Jornalista Rosenwal Ferreira

    Não sou seu fã. Ainda sinto interiormente a vergonha e impotência que passei num programa de radio que o Sr. conduzia em 2002, ao que fui convidado e anunciado e no qual não me foi dada a oportunidade de falar.

    Porém, sirva essa mesma impotência para expressar o que sinto diante do abuso de autoridade de uma multa que aparece na sua casa sendo que a gente sabe que não cometeu o ilícito.

    Meses atrás, a minha esposa, que se encontrava há dois meses em Buenos Aires, foi multada por falar ao celular conduzindo o seu veículo... em Goiânia.

    De nada adiantou tentar explicar que tanto ela quanto o carro estavam fora do País. Além disso, por não ter procuração e não ser o proprietário do veículo não pude fazer a defesa.

    Quando ela voltou os praços legais tinham caducado. A orientação: Pague e depois reclame!

    Concordo totalmente com o Senhor quando afirma que somente é considerada a palavra e assinatura do agente de tránsito. Ele autua com os superpoderes de acusador, Juiz e carrasco.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e os condutores so querem ver seu lado ,e se assim fosse, o caos no transito seria ainda maior,

      Excluir
  7. É impressionante, sempre os que condenam as ações dos Agentes, são os mesmos "Infratores Contumazes"

    ResponderExcluir
  8. Sou agente de trânsito e fiquei chateada em ler seu artigo - um jornanalista capacitado publicar isto - lamentável. Faço um desafio ao Senhor: fique 10 minutos na av t-9 com rua 15(hj proibida conversao a esquerda) e verá inúmeras conversões, uso de celular e condutor sem cinto. Goiania está cheia de infrator sem educação que não quer ser punido.
    Os novos agentes estão em estágio probatório e o que disse de não respeitar supervisor é puro desconhecimennto do sistema.
    Deixo aqui minha revolta e espero que possa um dia estar do lado dos condutores corretos que obedecem a lei - com certeza estes ADORAM a AMT e reconhecem seu valor e papel em Goiânia.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite Rosenwal Ferreira,
    Meu nome é Rodriana Estrela, sou à 12 anos, Agente Municipal de Trânsito do Município de Goiânia. Lamento muito o ocorrido recentemente entre você e dois colegas, não vou entrar no mérito do acontecido, pois não estava presente e o meu objetivo não é defender os colegas ou questioná-lo sobre como reagiu ao fato. Apenas quero falar por mim, você é um grande Jornalista um formar de opinião e possui (graças a DEUS) uma legião de ouvintes e telespectadores, inclusive eu, que sempre que posso ouço seu programa. Mas tenho sofrido na pele e dentro da minha casa as conseqüências de toda sua indignação. Tenho uma filha de três anos, que nas últimas duas semanas tem recebido respingos de todo o stress que tenho recebido na rua, já que ela tem percebido o quanto chego cansada, ansiosa e triste em casa, depois de um dia de trabalho.E não consigo dar a ela aqueles momentos de atenção. Em seu texto você descreve ter recebido mais de duzentas reclamações contra nós Agentes de Trânsito, mais depois de 12 anos nas ruas de Goiânia executando arduamente e com bastante competência minha profissão, passei a conhecer um pouquinho algumas artimanhas do ser humano, inclusive aquele em que se vale de situações para se beneficiar, será que os duzentos reclamantes realmente foram “agredidos” por Agentes? Será que alguns (ou vários) inconformados por serem notificados por infrações cometidas e não assumidas, não estão aproveitando para descarregar toda sua raiva? Somos atualmente um universo de mais de duzentos agentes, que divididos em turnos e áreas de atuação, ficam bem aquém do número necessário para atender as necessidades de Goiânia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se 200 agentes já multam tanto assim imagina se fossem 1.000 ? Iríamos trabalhar só pra pagar multas. Vocês são uns hipócritas.

      Excluir
  10. CONTINUAÇÃO:O que presencio diariamente são pessoas que mesmo tendo uma abordagem Cortez, quando recebem a informação que serão notificadas, simplesmente partem para ameaças e agressão verbal (e muitas vezes física). Com certeza, eu e você, viveremos com a dúvida, pois só quem conhece o coração de cada um é DEUS. Em seu texto o que parece é que o fato de notificarmos por qual for à infração cometida, é uma escolha pessoal nossa e que quando lavramos um Auto de Infração, (que somente se torna MULTA através da Autoridade de Trânsito o Presidente da AMT), já que somos Apenas Agentes da Autoridade, somos nós que “escolhemos” a punição, e não é assim. Questionamentos como os que você levantou não fomos nós que definimos, existe uma Lei o Código de Trânsito Brasileiro que específica qual é a competência de um Agente da Autoridade de Trânsito e também traz artigos que descrevem o que são infrações e crimes de trânsito, que por conseqüência cada qual tem sua medida administrativa e penalidades pertinentes. Por exemplo: eu não tenho como escolher qual valor o cidadão deve pagar caso seja Flagrado por mim (no exercício da função) falando ao celular ou avançando um semáforo no sinal vermelho, “falar ao celular está em alta, então vai pagar R$ 540,00 reais enquanto, avançar o sinal vermelho esta em promoção, vai pagar apenas R$ 30,00 reais”. O valor a ser pago, a penalidade a ser “executada” por uma infração cometida e pré-estipulada na Lei, se devemos abordar ou não também é determinado em Lei, enfim, da forma que você descreve simplesmente distorce para o cidadão, que muitas vezes é leigo e acredita cegamente no que você fala ou escreve, o que e DETERMINADO pela Lei e não por nós. O reflexo disso e o que tenho vivido, xingamentos, acusações infundadas e o pior de tudo, (sou Agente motociclista) “fechadas” de propósito, ameassas de atropelamento e ate mesmo de morte. A rua Rosenval é assim, um universo de pessoas de todas as índoles e eu com aquela roupa que a quilômetros de distância posso ser visualizada, onde não sei quem é quem, tenho temido por minha integridade física, pois fui jogada em uma “VALA COMUM” sem ser ao menos considerada a Agente de Trânsito que sou, com 12 anos de profissão, elogios formais em meu dossiê, ,FORMAÇÃO, TREINAMENTO E COMPETÊNCIA, para exercer a profissão que amo e escolhi. E como tudo na vida, dizer que todos ou a grande maioria age igual e uma grande injustiça, que prejudica severamente os pais e mães de família que estão nas ruas exercendo a função de Agente de Trânsito. Separar o joio do trigo pode ser impossível, mais afirmar de forma generalizada é no mínimo injusto, mesmo se tratando de Agentes Novos na função, pois entendo que ter pouco tempo de profissão não é sinônimo de incompetência e sim de inexperiência. Por fim repasso a você uma informação, (ao menos isso foi positivo) nos seus incansáveis desabafos, pois hoje (minha folga) recebi a notícia que amanhã dia 10/02, estará nas dependência da AMT, uma equipe com uma maquina, para bordar em nossas camisas (mérito seu), mais ressalto que será em apenas duas camisas de cada agente, o que me faz ficar em déficit de 3 das minhas camisas o que ainda pode me colocar no rol dos “não identificados” no uniforme. Agradeço a oportunidade e espero merecer de você o mínimo que qualquer cidadão no exercício de uma função merece: o respeito. Seja ele com doze ou 1 ano de profissão. Desde de que a maior parte (e posso te provar) considera que notificar é o dever menos relevante.

    ResponderExcluir
  11. vc esqueceu de citar que o Motorista Goiano , é Mal educado, e não respeita as les de trânsito.
    Vc para seu carro antes das faixas de pedestre??
    Foi assim com muita multa que Brasilia conseguiu educar os 'CAVALOS MOTORIZADOS'.Presta atenção!

    ResponderExcluir
  12. Eu penso q o senhor é mais um de varios q foram autuados e agora querem se revotar contra os agentes falando q eles são os culpados por suas multas. Antes de qualquer preconceito, indo literalmente ao conceito da palabra, eu quero q o senhor va para o seu serviço e observe a forma em q dirige o seu veiculo. Eu posso apostar o meu emprego com o sr se vc nao vai cometer no minimo umas 5 infraçoes como deixar de indicar a mudança de faixa entre outras. Agora se o sr for observar o comportamento dos outros vc vera q 90% das pessoas cometerão algum tipo de infraçao. Depois dessa sual REAL observação, vc teria coragem de dizer q estamos provocando calunia com algum cidadão? Vc realmete acha q as reclamaçoes sao cabiveis ou as pessoas se acham DEUSES q n erram, nao falam ao celular enquanto conduzem um veicolo, nao esquecem o cinto de segurança... Eu aposto q vc esqueceu o cinto pelo menos 3 vezes durante essa semana. Para pra pensar antes de formar uma opniao erronea sobre uma classe q tenta melhorar a qualidade de locomoção das pessoas.

    ResponderExcluir
  13. Se o senhor se acha certo, entao vamos fazer um desafio perante a este orgão que você critica tanto. Vamos parar nossas atividades em 100% durante uma semana e veremos oque acontecera com o transito goiano. No mínimo 30 acidentes diarios sem atendimento, inúmeras reclamações de estacionamento irregular sem atendimento, semáforo danificado sem ninguem pra controlar... Se essas coisas são irrelevantes para o senhor entao eu acho que realmente o nosso orgão nao esta tendo função nenhuma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos fazer um trato melhor: Parem durante 10 anos...ninguém notará diferença mesmo. Ao contrário, os motoristas vão aplaudir. Antigamente não tinha voces e era a mesma coisa. Ou a polícia militar não mexe mais com trânsito? Vcs são os senhores do trânsito?

      Excluir
  14. Alguns comentários pontuais a serem feitos sem levantar muitas polêmicas.
    1 - o poder de polícia goza de auto executoriedade discricionariedade e coercibilidade. Pra quem sabe do que falo finalizo por aqui.
    2 - Não fosse pela nomeação "AMT", até parece que estamos falando sobre ditadura militar e quem sabe nazistas desenfreados torturadores e assassinos de judeus. Não aqui fala-se sobre condutores infratores e fiscais de transito. Acreditam?
    3 - Infelizmente a personalidade do ser humano tende à maldade como já dizia Thomas Hobbes. Penso que Acusar, xingar... brucutu certo?, desmerecer, desonrar, diminuir, e muitos outros verbos de pura maldade são desnecessários no convívio humano. Boas pessoas resolvem e ajudam a resolver problemas (que são muitos), outras criam parecem gostar de criar problemas, jogando óleo gente que respinga por todos os lados, sem se importarem em afetar pessoas de bem.

    A questão é, não preciso falar da AMT especificamente. mas atualmente para se passar em concursos, as pessoas precisam se preparar bastante, muito além do que se imagina. Hoje os quadros de funcionários públicos que adentram ao serviço são cada vez mais qualificados, de modo a se ter mais confiança em suas ações. Graças ao bom Deus certo?
    Ratifico as palavras do Colega Julio César com brilhantismo e da nossa colega Rodriana, que diariamente buscam a melhora do transito de Goiânia.
    Em sonho imagino o trânsito de Goiânia sem agentes nas ruas... em Pesadelo só vejo terror... Não haveria agentes sem necessidade, polícia sem necessidade, políticos sem cidadania mal exercida...
    -Vamos criticar? Vamos sim... mas vamos construir... a destruição já é grande nos dias atuais. O transito de Goiânia pede socorro dos Patetas da vida... Sim, o personagem da Walt Disney que já na década de 30 retratava o transito... Pessoas entram em seus luxuosos carros refletores de sua ascenção financeira e se transformam em patetas!
    A idéia aqui é fazer uma reflexão! Pra quem está descontente.... ajudem a mudar, a construir a ver a realidade dos fatos, e não a destruir. Maldade é atitude mesquinha!
    Quem sou? Um agente de transito que já se acostumou a ver armas nas ruas, ameaças na porta de casa,carros clonados, xingamentos, e muita maldade pelas ruas. Só espero que ela não me atinja mais do que já atingiu!
    Aos nossos colegas novatos... Toda solidariedade!
    Prazer, Agente L. Martins

    ResponderExcluir
  15. Defendendendo interesse da pm, heim Ronsenval?
    O seu problema com a AMT e Guarda Municipal foi
    o fim do contrato com a pm, orgão do estado que atuava ilegalmente no municipio. A função de proteção dos serviços municipais é da GM, está na constituição Federal.

    ResponderExcluir
  16. Senhor Rosenval, admiro muito seu trabalho mas, não concordo com tamanha indelicadeza de sua parte. Eu não esperava que uma pessoa com tamanha sabedoria, tão bem informada como o senhor fosse capaz de uma grosseria tão grande. Desculpa mas, eu não estou aqui para defender a AMT e muito menos os agentes de transito, mas esse caso em especifico, pois eu estava no local do acontecimento e presenciei tudo e não posso me calar ao ver tamanha injustiça de sua parte. O senhor Rosenval não pediu que os agentes retirassem o carro, mas sim "mandou" por várias vezes com toda autoridade que acha que tem, eu em nenhum momento vi o senhor ser humilhado ou agredido, muito pelo contrário o senhor os humilhou o tempo todo e eles ainda tiveram que tirar o carro para o senhor colocar o seu. Eu e outras pessoas que estavam no local ficamos indignados com a falta de respeito que o senhor se dispois com pessoas que estavam trabalhando. Obrigada.

    ResponderExcluir
  17. Rosenwal Ferreira Vai aprender dirigir, e estudar um pouquinho o codigo de transito brasileiro antes de sair falando desses profissionais que faz milagre nas ruas de goiania, concerteza vc estava errado e quiz intimidar os agentes falando que é jornalista, vc não é diferente de ninguem não, se tava errado tem que pagar igual os outros, e procura se mais humilde na proxima vez seu barbeiro...............

    ResponderExcluir
  18. É lamentável que eu tenha que lhe escrever a primeira vez para criticá-lo.
    Primeiramente gostaria de dizer que sempre ao ver, seja na TV, Rádio ou jornais impressos, algum de seus artigos, procurei sempre ser neutro para não me deixar levar por opniões alheias e formar, sim, as minhas próprias.
    Permita um breve crítica: para mim, suas opniões eram muito pessoais e refletiam seus pensamentos no momento em que os escrevia. Nunca o considerei um grande informador, embora muitos colegas meus e companheiros de imprensa seus, o considerem um grande jornalista.
    Como cito no início, e com muito lamento que lhe escrevo a primeira vez.
    Sou Agente de Trânsito em Goiânia e tenho orgulho disso.
    Gostaria de expressar meus lamentos em partes.
    1) Somos concursados sim, mas arrogantes jamais. Se o senhor acha isso, é certamente por ter tido pela frente um que representa menos de 5% de nossa classe.
    2) Poderosos? Onde? Que poder temos? De sermos ameçados no exercício da função? De sermos achincalhados por "jornalistas" como o senhor? A nós não foi dado nenhum poder (que fique claro) e sim competências. Exercemos nossa função simplesmente. Doa a quem doer. E que fique o senhor sabendo que cada agente exerce sua função como bem quiser, desde que seja cumprida. Alguns optam pela autuação e outros pela educação. Mas lembre-se que os agentes não tem a única função de aplicar multas.
    3) Incompetentes? Isso nunca. Pode-se encontrar algum erro, mas não somos perfeitos, assim como o senhor também não é. E a vida é uma eterna escola onde aprendemos a cada segundo, seja com erros ou acertos. Vai me negar que o senhor não assimila mais ensinamentos além dos que aprendeu na universidade? O senhor nunca errou? O senhor faz tudo certo?
    4) Eu não me acho acima de ninguém, muito menos do "povão" que o senhor cita. Sei muito bem que sou um Agente de Trânsito e devo tratar bem o cidadão. Já xingar é algo que lhe parece familiar, não é? Aprendi em toda minha vida que xingamentos são coisas de pessoas sem nível cultural, algo que o senhor deixou transparecer em toda esta crítica feita aos Agentes.
    5) Saímos sim, na maioria das vezes para contribuir com a fluidez do tráfego. Muitas, talvez na maioria das vezes, por vontade própria. Lembra-se da última quinta-feira dia três? Lembra-se do temporal? Pois bem, eu tinha uma missão específica naquele dia, mas ao ver a situação (o caos) que se formava, sai do ponto de apoio nosso sito à Av. Portugal, debaixo de chuva, e corri junto com alguns companheiros, a pé ao cruzamento da Av. Assis Chateaubriand com Av. Portugal para darmos apoio à fluidez do trânsito. De lá tivemos que nos separar para outros pontos, tendo em vista que o caos foi geral em Goiânia. Pelo rádio pudemos ver que outros companheiros fizeram o mesmo por toda a Goiânia. Todas excederam o horário de trabalho, se cansando e desgastando em nome da fluidez do trânsito para que pessoas como o senhor pudessem chegar em casa sem problemas. Agora me diz, algum órgão de imprensa fez menção ao serviço por nós prestado naquele dia? Não! Porque naquele dia, não doeu no bolso de ninguém e todos vocês nem "repararam" que nós estávamos lá.
    Vale dizer que infelizmente devido ao número de Agentes ainda ser pequeno não pudemos estar em mais pontos críticos naquele dia.

    ResponderExcluir
  19. ... continuando
    6) A que se dizer que alguns pais de família em portas de escola quando orientados a não parar em fila dupla falta pouco para sair do carro e partir para a agressão.
    7) Como já disse, a maior parte dos agentes prezam a educação em primeiro lugar. Aqueles que prezam a multa, acreditam que esta tem um caráter educador, o que não deixa de ser verdade. Na escola o castigo fazia parte da educação, assim como em casa.
    8) Nós não somos julgadores de multas, apenas fazemos a autuação. Cabe à JARI da AMT julgar e condenar se assim for justo. Veja bem, o senhor fala das precauções que um delegado ou juiz deve ter antes de condenar um cidadão. Agora me diz, se um policial ver um cidadão com arma em punho assaltar um outro cidadão ou estabelecimento o que deverá fazer? Dar os cumprimentos? Claro que não, deve prendê-lo e lá na delegacia será feito um procedimento legal que permite ao criminoso se defender. Assim é com o motorista infrator. Se vermos, devemos autuar, mas caberá defesa ao mesmo. Se a JARI o julgará culpado é outra coisa.
    9) Desenhar o Agente como o senhor faz até parece caricatura. Óculos escuros? Alguns usam sim, mas a maioria não. Eu por exemplo faço questão de me identificar e me mostrar de cara limpa, inclusive não uso nem o boné cedido pela AMT para tapar minha cabeça.
    10) Como o senhor tem coragem de dizer que nós arrancamos de nossos uniformes a tarja de identificação se a AMT não fornece uniformes com tal acessório? Quando o senhor vir algum Agente (da nova turma) com a tarja pode ter quase certeza que foi o próprio que mandou confeccionar. Aliás, quanto a isso tenho que lhe agradecer, pois recebemos a notícia que a AMT bordará nos nossos uniformes a mencionada identificação a partir do dia 10/02.
    11) É fácil falar mal do Agente quando o auto não tem foto. Porque não falam dos autos de avanço de semáforo? Ah, deve ser porque a foto prova a verdade. Que bom seria se tivéssemos aparelhos com instrumentos de última geração com câmeras de qualidade superior para que pudéssemos fotografar todos os infratores. Com certeza todos ficariam calados a respeito dos autos. Algumas pessoas até esquecem que emprestam os carros a terceiros, sejam parentes, amigos, filhos, cônjuges, etc. e depois dizem que estavam viajando..., é uma piada às vezes. Ou às vezes desconhessem o crime da clonagem de veículos. Mas isso não é com a gente.

    ResponderExcluir
  20. ...finalizando
    12) A respeito de vaga particular eu não entendi. Particular é só dentro de um imóvel fechado. Se está aberto ao público, é público. Bom se o senhor presenciou uma invasão de Agentes da AMT, realmente cabe a denúncia.
    13) Todos aqui, querendo ou não, respeitam a hierarquia sim, mesmo que a ordem do superior seja errada. E com todo o respeito, mesmo não concordando com tudo que vem da presidência, nosso relacionamento é cordial. Mesmo para coisas mais sérias nos relacionamentos com o presidente, temos nosso sindicato que é presidido por uma pessoa idônea a admirado por todos os agentes e diretores da AMT.
    14) Li uma outra matéria onde o senhor diz que se aprofunda, faz investigações mesmo, para não publicar coisa errada. Convido-lhe a vir conhecer por dentro a AMT. Venha ver a situação de nossas viaturas (pick-ups, veículos, motos, etc) . A disponibilidade e reposição de uniformes, os aparelhos usados, o guincho (isso mesmo no singular), etc. Sei que nosso presidente tem mãos atadas à vontade do poder executivo municipal, mas é de se revoltar que nosso órgão seja o segundo que mais arrecada no município e o dinheiro é usado em outro lugar. Desde que entrei na AMT (janeiro/2010) tem uma licitação para compra de novas viaturas que nunca foi finalizada enquanto eu vejo outros órgão municipais do dia para a noite conseguirem viaturas novas. Estranho não?
    15) Venha nos conhecer, conversar conosco, é um convite que lhe faço. Só assim será possível perceber
    que somos gente igual ao senhor. Talvez o senhor até aprenda a nos dar valor e nos respeitar.
    16) Pra encerrar, lamento em nome da Guarda Municipal que o senhor pense assim dela também. Pelo jeito o senhor só valoriza quem está no comando, os comandados que se explodam. Se o senhor tem funcionários, temo por eles.

    ResponderExcluir
  21. Rosenwal, a crítica só é válida com fundamentos, no mínimo, lógicos.

    Desde quando um veículo é dirigido apenas pelo seu dono? Mesmo com seu dono viajando, existe mais de 1 milhão de pessoas que podem conduzi-lo na região metropolitana de Goiânia.

    A desculpa que os agentes de trânsito ouvem diariamente nas ruas para que os erros bisonhamente cometidos no trânsito por condutores irresponsáveis sejam deixados a bel prazer de quem os comete são quase padronizadas. As informações de que ninguém é obrigado a soprar o etilômetro são pulverizadas em várias conversas de bêbados que dirigem sem medo.

    Utilize de sua credibilidade para informar, não para induzir ao erro ou criar um sentimento de raiva por quem tenta cuidar do trânsito que o Sr. usa.

    Os Agentes de Trânsito convivem com o erro, erro qual poucos assumem que cometeram e utilizam de variadas desculpas para distorcer o que fizeram. Sou Agente de Trânsito e lhe garanto que todas as horas de estudo que tenho sobre o assunto, cursos de formação que fiz, os quais o Sr desconhece, e vivência diária me deixam tranquilo para dizer que o Sr foi extremamente infeliz em suas colocações.

    Nenhum Agente de Trânsito precisa inventar autuações, elas acontecem independentemente da fiscalização, e em qualquer lugar/hora. Conheça do assunto que o Sr comenta, não será agradável que pessoas com 2 semanas de estudos na internet se achem capazes de julgar seu trabalho como jornalista.

    O seu apoio será, em sua maioria, de pessoas que querem utilizar do seu programa/credibilidade para descontar a raiva de serem flagrados cometendo um erro.

    Utilizando palavras citadas pelo Sr, não faça parte de uma extirpe de jornalistas mentirosos e com um imenso potencial de azedume.

    Agente Medeiros

    ResponderExcluir
  22. Lucas Martins Agente da Guarda Civil Municipal de Goiânia10 de fevereiro de 2011 06:05

    Como se diz o velho e bom ditado popular “a mentira tem pernas curtas"

    Ser um "grande" jornalista não se dar ao fato de ser conhecido, e sim de ser respeitado. Respeitado pelas reportagens de interesse comum da sociedade, de palavras verdadeiras e de ações sensatas, são itens essenciais da carreira de um bom profissional.
    Na contramão do que é correto vem um "trem" de ladeira abaixo tragando tudo e todos que for diferente de suas ideologias mesquinhas e sensacionalistas, Essa mesma "locomotiva" que prega idéias com resquícios de ditadura intolerante, pois se colocam no topo da pirâmide social. Influência,alto poder aquisitivo e padrinhagem somados a um horário em emissoras de radio ou TV já lhes dão prepotência o bastante pra difamar caluniar e denegrir a imagem e carreira de homens e mulheres que dão o melhor de si em cumprimento de seus deveres legais.
    É muito fácil citar pessoas comuns em gigantescos textos difamatórios enquanto os verdadeiros responsáveis pelos problemas sociais estão "nadando de braçadas" na corrupção, Quem entende isso, sabe lá às vezes sobra alguma "beiradinha" por lá não é verdade excelentíssimo senhor ROSENVAL?

    ResponderExcluir
  23. Não acredito que esse comentário veio de vossa excelência, "com tanta sabedoria e carater" só tenho que lamentar tal fato por todos Agêntes de Trânsito e todos Guardas Municipais de Goiânia...

    ResponderExcluir
  24. Imbecil e Arrogante. Deve ser um destes jornalistas que batem a porta da AMT em busca de quebrar uma multa e sai furioso quando recebe um sonoro,NÃO. A partir daí intitula a bravata de indústria da multa e começar a escrever baboseiras que pessoas incapazes de reconhecer seus erros gostam de ouvir.Imaginava que jornalistas sérios buscassem o caráter investigativo, de onde corroborassem como formadores de opinião, éticos e com compromisso com a verdade.

    ResponderExcluir
  25. quando o senhor rosenwal cita a guarda municipal ele deixa transparecer o tamanho ódio que sente pela categoria fica aqui minha pergunta será o que guardas municipais fez contra este senhor pra despertar tamanho ódio?quando ele diz que guardas usam armas de choques para nos "torturar" há que me lembre vivemos em um estado democrático de direito, se o senhor foi torturado o que duvido muito que procure seus direitos, assim como você cita que guardas usara armas que dão choque, qualquer um que tenha o mínimo de inteligencia saberá que esta arma será usada para conter uma agressão injusta, agora me pergunto como as pessoas que foram prejudicadas pelo seu comentário parcial e cheio de más intenções vão se defender da sua arma a caneta?

    ResponderExcluir
  26. Rosenwal,não me aprofundarei em rebater alguns equívocos do seu artigo, mas tenho certeza você sabe que em alguns pontos comete injustiça. Quando diz que pessoas (médicas, idosos, por exemplo) são autuados sem terem cometidos infração de trânsito, não há como isso acontecer. Se o agente lavra o auto de infração pela placa do veículo, sabe muito bem você que outra pessoa pode ser o proprietário e outra estar na condução do veículo. Vou ser bem simplista. Certa vez um senhor me abordou falando que não entendia como ele recebeu pontuação na sua carteira se ele estava na Bélgica. Simples: ele estava lá mas os carros dele não. Filhos, amigos, esposa, irmãos, empregados, prestadores de serviço (manobristas, lavadores, mecânicos...) muita gente pode ter dirigido os veículos e, considerando a natureza da infração, não se fazerem presentes, e, uma vez passado o prazo para indicação do real condutor, a responsabilidade fica para o proprietário do veículo. Creio ter esclarecido esse ponto. Continuo admirando sua inteligência mas não entendendo sua repulsa a nossa categoria. Um abraço!

    ResponderExcluir
  27. Levanto às 05:20 da manhã para trabalhar. Quando saio às ruas, o que contabilizo é a falta de respeito do condutor e do pedestre com a nossa cidade e com o próximo. Se autuo cinco, dez veículos, tenho consciência que saio naquele dia com no mínimo cinco vezes mais orientações. Duvido que um agente sai às ruas para prejudicar as pessoas, autuar sem justificativa. Antes de sermos agentes, somos cidadãos e temos o perfeito discernimento de como é a sociedade, os problemas que as pessoas enfrentam, o valor da multas e as decorrências que trarão multas aplicadas injustamente. Você como uma pessoa culta e influente que é, sabe da influência que exerce na opinião das pessoas. Confesso que nunca o vi criticando infratores, pedindo para que as pessoas dirijam com mais humanidade, com mais respeito ao próximo. Sempre o vejo criticando nosso trabalho sem contribuir em nada para a melhoria. Transmite a sensação que todos somos incompetentes e certos e injustiçados são todos os autuados por nós. Não estamos acima da lei, como você disse. Creio que somente a conduta individualizada é capaz de resolver os problemas. Se um agente não foi devidamente treinado, não foi educado, foi arbitrário, deveria ele ser identificado e, conforme a ação praticada, orientado ou até punido. Agora vejo que você prefere lançar na lama toda a categoria. Duvido que algum jornalista aceite investir seu tempo em uma atividade de campo mas você não é o primeiro para quem eu faço o convite. Gostaria que pudesse acompanhar ainda que por pouco tempo nosso trabalho e perceber o quanto é sério. Conhecer as nossas condições, nossas limitações, a realidade do trânsito, quantos somos, as atividades que desempenhados, enfim, uma oportunidade de mostrar que somos muito mais do que você pensa a nosso respeito. Não podemos levar as divergências para o lado pessoal. Se você ou algum conhecido foi maltratado por algum servidor, isso não é regra e sim exceção. Ademais, vale o esclarecimento. Muitos consideram que o agente é mal-educado não pelo que ele fala e sim pelo auto que ele lavra. Espero que essa mensagem minha sirva de reflexão.

    ResponderExcluir
  28. É por isso que não se exige mais curso superior para ser jornalista. Se um babaca desse nível pode, um mendigo (com todo o respeito aos mendigos) também pode.

    ResponderExcluir
  29. caro ROSENVAL,o mínimo que podia fazer é pedir desculpas para estes profissionais trabalhadores que lutam para um trânsito melhor e sem INFRATORES.
    Aposto com você que só os INFRATORES SEM EDUCAÇAO E SEM ÍNDOLE que te apoiam e defendem. Pergunte para um leitor-condutor que anda na lei se gostou do seu artigo ? Só para adiantar na minha família todos ficaram indignados com tamanha grosseria e falta de profissionalismo sua. POR FAVOR, reveja seus atos e pare de ofender quem está trabalhando.

    ResponderExcluir
  30. Prezado Rosenwal,
    vivemos numa sociedade democrática, que preza pela liberdade de expressão, o que nos permite expor nossas revoltas e angústias. Sua indignação é perfeitamente aceitável e compreensível, no entanto vossa senhoria referiu-se a toda uma classe de forma pejorativa, além de desrespeitar um trabalhador ao chamá-lo de "brucutu".
    Respeito, talvez este seja o cerne da questão. Falta respeito ao contribuinte, às leis de trânsito, ao trabalhador, ao próximo. Falta educação, civilidade, coletividade. Reina o individualismo e isto se reflete no trânsito: carros estacionados em locais proibidos, sobre calçadas, em fila dupla, motoristas que avançam no sinal vermelho, que não param na faixa, que se enfurecem por motivos ínfimos.
    Faz-se necessário a fiscalização, a multa, a represália. Se a consciência, a boa educação, os princípios de um indivíduo não o impedem de ser imprudente e desreipetoso à lei, talvez o temor da multa o impeça.
    O modelo de fiscalização de trânsito existente não é ideal, como não é o sistema tributário, o Sistema Único de Saúde e várias outras instituições. As melhorias são necessárias: na legislação, na capacitação dos servidores, nas condições de trabalho, na gestão pública - afinal, "fino trato e raro sendo de justiça" não são as únicas características necessárias a um bom gestor. Porém, o servidor que está trabalhando na linha de frente do trânsito caótico desta cidade, certo ou errado, assim como qualquer trabalhador, merece respeito e tratamento digno no exercício de suas funções. Aquele que se achar injustiçado ou indevidamente autuado, reúna provas e recorra às vias legais.

    ResponderExcluir
  31. Acho engraçado, quem RECLAMA , sao sempre os mesmos que Levam multa diariamente.

    ResponderExcluir
  32. Ainda na questão das pessoas que recebem multas injustamente, lembrei-me de duas situações que antes não eram tão comuns aqui em Goiânia, mas que já fazem parte do nosso cotidiano: placas clonadas e vendas de veículos sem a devida transferência.
    Não quero aqui trazer justificativas que eliminam o erro, pois sei que existe mas em quantidade bem menor do que as reclamações feitas. No primeiro caso, inúmeros veículos são clonados na nossa cidade. Não é fácil provar. Compete à polícia fazer a investigação e em muitos casos, até o prejudicado faz uma investigação paralela, ou seja, vai até o local onde o condutor do veículo clonado costuma trafegar para ver se consegue avisar a polícia. Não basta afirmar em recurso que a placa foi clonada. É preciso dirigir-se a uma delegacia e fazer a comunicação, o que, em alguns casos, se o infrator agir de má-fé mentindo para a polícia, será ele responsabilizado por comunicação falsa de crime (art. 340 Código Penal). O segundo caso, mais comum que o primeiro é a venda sem a transferência. O sujeito vende o carro para um amigo que logo repassa para um terceiro que depois comete infrações de trânsito ou até envolvimento em práticas delituosas. Depois aparece o antigo dono (dono de direito mas não de fato) do veículo reclamando que fora "multado" injustamente. Por fim, além das duas situações citadas, há o conhecimento da lei. Se a pessoa se viu injustiçada, é preciso recorrer. É direito dela. Ocorre que tanto na esfera administrativa quanto na judicial existe o limite temporal. Não adianta eu ter o direito e exercê-lo fora do prazo. Sequer irão os julgadores analisar o mérito da questão pois ocorreu a intempestividade do recurso. Como vê, as situações são várias e fazem parte de um universo complexo. Não é tão simples.
    Em relação aos agentes, tenho como conduta e, creio que todos os colegas adotam esse posicionamento, em relação às infrações de circulação (celular, cinto, avanço de sinal, etc.), a dúvida sempre beneficia o condutor. Só lavro um auto de infração quando estou diante da certeza do cometimento. Qualquer lampejo de dúvida, deixo de lavrar o auto para não penalizar injustamente o munícipe. Quanto às infrações de estacionamento e parada, a dúvida quase não existe. Um exemplo disso é o veículo estacionado sobre o passeio. O agente chega ao local e constata a infração.

    ResponderExcluir
  33. Olá Rosenwal, sou moradora do Setor Bueno, próximo à Praça do Chafariz, e fiquei muito admirada com seu posicionamento parcial e difamatório de toda uma categoria com base num acontecimento pontual. Como moradora dessa localidade sou extremamente grata a esses profissionais que nos auxiliaram na época da obra, quando essa região parecia uma praça de guerra. Ao contrário do fato ocorrido com o senhor, fato este questionável uma vez que uma testemunha ocular afirmou que o “brucutu” na história foi você, os agentes sempre foram cordiais e atenciosos, alguns até pacientes demais com certos motoristas que se achavam acima da lei e da ordem. Também me deixou surpresa seu posicionamento tão senso-comum para um jornalista sobre a atuação da guarda municipal, sinto-me mais segura com eles nas ruas, principalmente com o uso desse artefato ao invés de armas ou cassetetes, é um instrumento para ser usado em situações extremas e para paralisar o meliante sem colocar em maior risco a integridade física de nós civis. O senhor leu o que foi escrito hoje (11/02/2011) pelo professor Márcio sobre a polícia? Quando o senhor diz que “Não existe nenhuma categoria de autoridade com tamanha autonomia para julgar, condenar, e executar a sentença de uma pessoa quanto um agente de trânsito”, por acaso lhe passou pela cabeça que a categoria com maior autonomia para julgar, condenar, induzir e manipular a opinião pública são os comunicadores sociais (os irresponsáveis claro). Bem, por fim, o que mais me motivou a fazer esse desabafo foi o fato de o senhor jogar duas classes na lama, mas tratar o presidente como “o diligente Miguel Tiago”, como se ele fosse uma vítima inocente do sistema. Qual sua ligação com ele e quais as pretensões políticas desse presidente que permite que a verba arrecadada pela Agência, que deveria se reverter em benefícios para o próprio órgão, é creditada na conta da prefeitura e gasta sabe-se lá com o quê? Acredito que esta investigação daria sim uma matéria de grande benefício público!

    ResponderExcluir
  34. Bom dia sr Rosenval,muita gente já falou bastante sobre o que Srº disse,mas quero acrecentar uns parágrafos da Resulução Nº371 do CONTRAN,que cria o manual brasileiro de fiscalição de trânsito.
    "O agente de trânsito, ao presenciar o cometimento da infração, lavrará o respectivo
    auto e aplicará as medidas administrativas cabíveis, sendo vedada a lavratura do AIT por
    solicitação de terceiros.

    A lavratura do AIT é um ato VINCULADO na forma da Lei, NÃO havendo discricionariedade com relação a sua lavratura, conforme dispõe o artigo 280 do CTB.

    O agente de trânsito deve priorizar suas ações no sentido de coibir a prática das infrações de trânsito, PORÉM,UMA VEZ CONSTATADA A INFRAÇÃO,SÓ EXITE O DEVER LEGAL DA AUTUAÇÃO, devendo tratar a todos com urbanidade e respeito, sem, contudo, omitir-se das providências que a lei lhe determina."

    Por isso quando o Srº afirma que não exite categorai com tamanha autunomia para julgar, o Sr° se atropela na falta de conhecimento do tema.O agente não tem a opção de escolher quem ele vai autuar,até mesmo no exemplo do "suposto ancião que sai da garagem sem cinto" se for flagrado pelo o agente de trânsito,a não lavratura do auto configurará prevaricação,crime tipificado no código penal.Como foi dito,A LAVRATURA DO AUTO,porque a penalização será aplicado pela autoridade de trânsito que é o presidente da AMT,no caso do município,após o regular procedimento adiministrativo e a confirmação da concistência do AUTO pela comição de defesa prévia,sem,contudo, abstar o direito de defesa, que pelo entender do Srº deve garantir 100% de provimento.

    Quando o Srº propõe a seguinte interrogação: "Experimente indagar a um agente de trânsito qual é seu nome ou dele exigir identificação" e em seguida afirma que são "arrogantes" e que arrancam a tarja a seu bel prazer.Eu presumo que o Srº fez uma pesquisa séria e que tem o dados tabulados,porque a fimação foi generelizada e jornalistas sério não fariam tais afirmações sem fundamento técnico.Gostaria que o Srº a divulgasse.

    A! aquela viatura que estava na "vaga particular" registrando um boletim de acidente de trânsito a qual o Srº DETERMINOU que se retirasse do local para que o Srº colocasse seu carro,bem que o Sr° poderia ser mais elegante ao fazer isso já que é defensor da boa educação.A vaga era do Srº ou era de acesso ao público? não consgio imaginar eu chegando com minha moto de trabalho e exigindo de um propietário de um comércio que reserve um espaço dele para eu colocar minha viatura.pelo comentário do Srº acho que foi isso que os agentes fizeram e o Srº como o grande defessor das massas exigiu a retirada da viatura do referido local.

    Pelo visto,também, o Sr° conhece a relação interna entre os funcionário da AMT,já que diz que são insubordinados.Poderia dar exemplos para fundamentar seu texto?

    ResponderExcluir
  35. Para constar:

    - O texto escrito hoje (11/02/2011) pelo professor Márcio sobre a polícia, foi publicado na seção Opinião Pública do Diário da Manhã.
    - E o artefato a que me refiro é a arma de eletrochoque.

    ResponderExcluir
  36. O ilustre jornalista poderia pelo menos tentar não copiar o modelo de agressão já utilizado pelo nosso querido Paulo Beringhs.
    Seja autêntico...Crie o seu próprio estilo.
    Plageador fdp

    ResponderExcluir
  37. Pedir para tirar uma viatura para colocar o seu carro particular como se a vaga fosse sua,na porta de uma academia, chamar um agente de brucutu e ainda desvalorizar o importante trabalho que o pessoal da Guarda Municipal faz é no mínimo digno de um processo. Com certeza nenhum agente de trânsito seria capaz de te insultar com palavras como as suas.
    Já que é uma pessoa culta não deveria ter chegado a esse nível e respeitado os agentes.

    ResponderExcluir
  38. Sr Rosenwal, o curioso é que uma pessoa graduada que ESCOLHEU para o exercício da profissão a função precípua de informar, DESCONHECE, RESTRINGE E LIMITA a atuação do agente municipal de trânsito em autuar. Contudo, talvez por uma auto-percepção também limitada e conveniente, o fato que SOMENTE os contribuintes VOLUNTÁRIOS são notificados para e posteriormente autuados pela Autoridade de Trânsito (Miguel Tiago) seja desconsiderado pelo Sr, bem como por todos aqueles assumem uma postura de vítima e se julgam injustamente ou, como no seu caso, persecutoriamente autuados. Sim contribuintes voluntários, pois a sinalização regulamentadora é clara e na ausência desta ninguém pode alegar desconhecimento da lei para justificar seus erros ou em casos patéticos a exclamação: “nossa não vi!”. Sendo assim, LIMITE-SE a comentar e postar aquilo que tenha conhecimento técnico, não amador. No entanto, caso tenha o interesse em insistir e continuar "falando pelos cotovelos”, sugiro que estude e compreenda a legislação em vigor a qual transpõe o CTB antes de manifestar sua opinião primária própria de um condutor contumaz e arrogante.

    ResponderExcluir
  39. SE LASCOU EM ROSENVAL TODO MUNDO CONTRA VC!

    ANTES DE ENCHER O SACO POR FAVOR ESTUDE O CTB.

    ResponderExcluir
  40. Defendo sim os agentes que estavam alí TRABALHANDO!! Mandar tirar a viatura pra colocar o seu carro na porta da academia, ligar para o Presidente da AMT, Governador foi ridículo. Muita gente viu o que aconteceu!
    O pior escrever "Agentes da AMT, concursados, arrogantes, poderosos e incompetentes " e ainda falar da Guarda Municipal foi uma falta de respeito total com todos!
    Mude para os lugares do exterior que vc tanto se gaba em dizer que já foi e experimente pedir para um agente de trânsito retirar a viatura porque a vaga é sua!Ahhh...vc não faria isso lá!!!

    ResponderExcluir
  41. Não precisa ir no exterior,quero ver ele fazer isso com uma viatura da polícia que estacionam em qualquer lugar,nas calçadas,jardim público em qualquer lugar.

    ResponderExcluir
  42. "Agradar milhões de motoristas, numa cidade que se entupiu de veículos, não é uma tarefa fácil."
    Vou te lembrar quem escreveu isso dia 07/02/2011. Foi VOCE, nesse mesmo blog.
    Realmente não é fácil mesmo agradar principalmente aos infratores e aos que se acham acima da Lei!

    ResponderExcluir
  43. Caro Rosenwal, diante dos comentários do blog, estou curioso pra saber da sua resposta.

    Quero muito saber se sua resposta será um adicional as mentiras ditas neste comentário, se o Senhor terá a humildade de emitir um comentário com um pingo de coerência e desmentir o que foi dito antes ou simplesmente deixará que as águas passem por baixo da ponte de partirá para a próxima acusação sem nexo, sem voltar a este assunto.

    Acho que os comentários sobre sua suposta compêtencia e credibilidade lhe subiram a cabeça. o Sr erra. E este exemplo com os Agente de Trânsito é mais que suficiente para que o Sr reveja seus valores e princípios.

    Não acho que os Agentes foram "brucutus" com o Sr, apenas lhe mostraram que o Sr está abaixo da lei. Imagino ser complicado voltar ao patamar de ser humano quando nos achamos, ridiculamente, semi-deuses.

    Sendo assim, os que o Sr cita como poderosos, eu cito como inteligentes. O que lhe parece incompetência, entendo como habilidade e a arrogância que o Sr transmite em suas palavras, me parece, na prática, um trabalhador que lhe deu um banho de coerência e lhe colocou em seu devido lugar, mesmo o Sr achando que acima de tudo e de todos.

    Espero que o que aconteceu lhe sirva para que o Sr melhore como pessoa, ser humano e cidadão.

    Agente Medeiros

    ResponderExcluir
  44. Sr. Rosenwal penso que o mínimo que tem a fazer é tirar este artigo do blog e deixar uma nota de desculpas - é claro que não vamos esquecer,mas pelo menos ameniza. É difícil ouvir a verdade,mas neste caso quem foi arrogante, poderoso e incompetente foi VOCÊ !!!!!

    ResponderExcluir
  45. Comentário da matéria do Rosenwal sobre agentes da AMT:

    Após mencionar a classe política, escreveu “...surge uma extirpe com potencial de azedume ainda pior... a novíssima turma de concursados como agentes de trânsito...guardinhas...”

    Não se espera isso de um jornalista. Meu nome é Carlos Martins, sou agente de trânsito, da segunda convocação do concurso de 2009. Conforme ele escreveu passei a fazer parte da “extirpe dos guardinhas de trânsito”.

    Antes de irmos para as ruas, fizemos um curso que abrangeu matérias pertinentes a atuação do agente segundo o CTB, (Código de Trânsito Brasileiro), a termos bom senso e extremo cuidado com o poder que passamos a ter. Também matéria sobre relações humanas, tratamento com o cidadão, etc.

    Trabalhei com vários da “extirpe de guardinhas”, e nunca tive problemas de relacionamento com ninguém. Observo que em 99% de problemas com cidadãos a causa é que o condutor comete uma infração e não quer ser penalizado, ele quer que o agente feche os olhos, só para alguns metros depois, cometer outra infração igual ou mais grave. É o espírito do desrespeito à lei e o safar-se da punição. Em meados do século 20 Walt Disney já retratava, de forma humorada, esse fenômeno que ocorre quando um pacto cidadão assume a direção de um veículo, basta assistir ao desenho animado do Pateta, em que ele é o Sr. Volante. Não é incomum encontrarmos motoristas que não param antes da faixa de pedestres, mas quando se torna pedestre e outro motorista não respeita a faixa, esse moderno “Sr. Volante” procura um agente exigindo que o “guardinha” o multe!

    Fala-se que o agente deve “educar” o condutor. Contudo, como se “educa” uma pessoa que intencionalmente avança sinal vermelho, transita em calçada, para ou estaciona sobre faixa de pedestres, que não espera pedestres atravessarem na faixa? É dever do agente, ao observar essas e outras infrações, lavrar o auto de infração, pois ele tem também caráter educativo. Qual é a principal, causa de acidentes de trânsito? O desrespeito ao CTB!

    Quanto ao incidente com o Sr. Rosenwal, eu estava na viatura da AMT que a pedido do presidente do órgão foi deslocada para o local levando o diretor para verificar o que ocorreu. Vi o Sr. Rosenwal dizer que ele era um senhor de 61 anos, mais velho que o colega Divanir, e por isso tinha o direito de falar primeiro. Não ouvi o que eles conversaram com o diretor, pois fiquei dentro da viatura dando apoio à colega que estava trabalhando com o Divanir naquela tarde. Alguns minutos depois, um cidadão, colega de academia do jornalista, se aproximou e disse à colega que presenciou o que ocorreu, e que se fosse necessário prestaria depoimento contra o Sr. Rosenwal, pois ele é que fora grosseiro com os agentes.

    Não gostei do comentário sobre agentes novatos, pois deu a entender que todos são, como ele disse, “brucutus”, difamando uma classe. Pela experiência de jornalista, o Sr. Rosenwal deveria saber que não julgamos uma classe à base do comportamento de indivíduos. Imagine eu escrever que os jornalistas são assassinos, adúlteros, corruptos, pedófilos, ... à base do comportamento de alguns jornalistas? Ele também foi muito infeliz, pois se fez de vítima acusando dois colegas que são muito educados e prestativos com os cidadãos. Às vezes há a necessidade de sermos firmes com alguns condutores, mas firmeza não é rudeza. Se o ele trabalhasse diariamente com o Divanir, jamais o acusaria de ser autoritário ou o chamaria de “brucutu”.

    Quem quer cobrar conduta correta de outras pessoas deve ser exemplo. No incidente da Rua 87, Setor Sul, o Sr. Rosenwal estacionou seu veículo na calçada. Como que um “Sr. de 61 anos” cobra que os agentes estavam errados, sendo que o Sr. estava desrespeitando o CTB? Como jornalista se julga imune ao CTB?

    Finalizando, sobre a identificação dos agentes, embora não a tenha na minha camisa, nunca me esquivei de me identificar por nome completo, não temos nada a esconder do bom cidadão.

    ResponderExcluir
  46. "Quem quer cobrar conduta correta de outras pessoas deve ser exemplo. No incidente da Rua 87, Setor Sul, o Sr. Rosenwal estacionou seu veículo na CALÇADA. Como que um “Sr. de 61 anos” cobra que os agentes estavam errados, sendo que o Sr. estava desrespeitando o CTB? Como jornalista se julga imune ao CTB?"

    NÃO PRECISA DIZER MAIS NADA. ESTOU SATISFEITO. PARABÉNS AOS AGENTES!

    "Alguns minutos depois, um cidadão, colega de academia do jornalista, se aproximou e disse à colega que presenciou o que ocorreu, e que se fosse necessário prestaria depoimento contra o Sr. Rosenwal, pois ele é que fora grosseiro com os agentes."

    ResponderExcluir
  47. É LAMENTÁVEL,vamos ver no programa de quinta-feira a noite com o Presidenre Miguel Tiago o que o jornalista falará.

    ResponderExcluir
  48. Era admiradora de algumas de suas opiniões....
    mas depois dessa é notado claramente seu pouco ou nenhum conhecimento sobre o Codigo de Transito Brasileiro..... foi muito infeliz nos seus comentário.... um agente q estuda e passa num concurso de 200 por vaga.... toma posse e vai sair por ai ameaçando as pessoas.... sinceramente.... eles tem uma profissão com riscos.... com ameaças... muitos homens e mulheres pais e mães q estão na rua em evidencia, sujeitando ao perigos..... e sabemos todos q em Goiânia há muitas infrações e milhares q não são autuadas por falta de recursos humanos suficientes.... digo de passagem q eu mesma cometo infração as vezes falando ao celular... e se sou autuada... pagarei a multa com muita humildade pois conheço muito bem as leis.... e espero q o Senhor possa estar se atualizando à elas....

    ResponderExcluir
  49. Infrator contumaz. São sempre os mesmos. Quem mais reclama é quem faz errado. Se a pessoa comete infração (falo pessoa porque existe infração também para pedestres e ciclistas), ela tem que responder por isso. O CTB está ai para todos conhecerem, assim como a Constituição. Art. 280 do CTB, do qual somos regidos: "Ocorrendo infração prevista na legislação de trânsito, lavrar-se-á auto de infração [...]

    O trabalho do agente da autoridade trânsito vai além da multa. Multar é a parte mais fácil dessa profissão. Tente ficar várias horas em pé, com fome, sede, cansaço, poluição visual, sonora... Receba críticas infundadas todos os dias, vindas da população, de jornalistas...

    Quando vamos para portas de escolas, semáforos estragados, portas de garagem somos os bonzinhos. Quando o cidadão estaciona de forma errada, dirige usando o celular ou sem o cinto e é autuado somos os 'poderosos acima da lei'. Quando é a favor de uma certa gama de pessoas, estamos 'apenas fazendo o trabalho', quando vai contra essas mesmas pessoas, somos os 'prepotentes'. Agir somente favorecendo um lado é muito, muito fácil.

    Qual direito que o condutor tem de estacionar em fila dupla, em local proibido, em cima da faixa de pedestres, mesmo que seja o tal do 'RAPIDINHO'? É o interesse de uma pessoa, sobrepondo ao coletivo. A mesma Lei (Lei 9503/97) que diz que devemos orientar, dar fluidez ao trânsito é a mesma que diz pra punir.

    Estude o CTB, mas estude mesmo, artigo por artigo. Conheça a realidade de um agente de trânsito. Assim como há bons jornalistas, existem maus jornalistas. Há bons e maus PMs. Também há bons e maus agentes de trânsito. NÃO generalize. Também não pense que SÓ autuamos. Pelo número de infrações cometidas, não há metade de penalizações

    ResponderExcluir
  50. frases retiradas do Blog de Rosenwal Ferreira:

    segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

    Quem tem medo da verdade no imbróglio da Praça do Cruzeiro?

    "Agradar milhões de motoristas, numa cidade que se entupiu de veículos, não é uma tarefa fácil."

    "A posição mais cômoda é a de jogar pedras e criticar. Oferecer soluções é uma outra história."

    "A história não perdoa os que erram."


    Agradar os infratores: impossível...
    Jogar pedra e criticar: fácil, como podemos perceber um post depois
    A história não perdoa: não mesmo, com tantos comentários desfavoráveis pode se perceber isso

    ResponderExcluir
  51. Espero que o presidente Miguel Tiago não faça meia-culpa e se posicione firme em favor da verdade. Duvido que o agente tenha desrespeitado o jornalista. Aposto que foi o contrário. As pessoas com poder aquisitivo alto, gente da política e que trabalha nos meios de comunicação geralmente pensam que estão acima da lei e do bem e do mal.

    ResponderExcluir
  52. Rosenwal, vc critica a mudança na praça do cruzeiro por que sua empresa esta nesse mesmo endereço???? será por isso????? talvez a mudança atrapalhe suas metas financeiras né???

    ResponderExcluir
  53. GABINETE DO PREFEITO
    DECRETO Nº 1538, DE 30 DE JUNHO DE 2010.
    O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições
    legais, RESOLVE nomear NICOLA LIMONGI FILHO,
    matrícula nº 686808-3, para exercer o cargo, em comissão, de Coordenador-2, símbolo CC-2, com lotação na Agência Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, a partirde 1º de junho de 2010.
    GABINETE DO PREFEITO DE GOIÂNIA, aos 30 dias
    do mês de junho de 2010.
    PAULO GARCIA
    Prefeito de Goiânia
    OSMAR DE LIMA MAGALHÃES
    Secretário do Governo Municipal


    Na sua última postagem no DM o Sr disse: "esquemas que pareciam perfeitos vão ser desmascarados" e que tornou público "maracutaias" .
    Então dá uma olhada nesse decreto e faz uma investigação séria e um "jornalismo corajoso" como afirma ter feito relativo aos agentes de trânsito e verá o que é malbarateamento da coisa pública.

    Pergunte a quem trabalha na AMT qual é a função desse Sr.Pergunte onde ele fica e o que ele faz.
    Dá uma olhada no ponto dele. duvido que ele tem o ponto digital igual aos demais funcionários. dúvido que ele,se quer, coordene algo lá.

    Se o Sr fizer, e divulgar isso você terá, na certeza um sussesso na sua empreitada investigativa e desmascaradora.Do contrário, contra os agentes o Sr não vai conseguir desmascarar muita coisa, já que não há o que esconder.

    ResponderExcluir
  54. Caro Rosenwal, você está certo. Os mesmos pesos não são para a mesmas medidas. Já fui multado porque estava saindo e colocando o cinto de segurança. Nem discuti. Aceitei numa boa. Agora, o que me deixa revoltado é ver infrações claras à luz do dia e que são toleradas. Passe na porta da UNIVERSO (Faculdade do Senador) ali na Av. Cora Coralina com a Rua 105, Setor Sul. Placas ostensivas com proibição de PARAR E ESTACIONAR. Todos os dias têm, no mínimo quatro carros estacionados, numa boa. Tem base?
    Euler Júnior

    ResponderExcluir
  55. Euler,mas a pesosas, jornalistas nao querem ser multados - pra quê a AMT vai lá ?? Para ser agredida verbalmente-fisicamente?
    Assim que é certo: infratores sem educação e cheio de poder !!!

    ResponderExcluir
  56. é mesmo Rosenwal investigue o sr. Nicola - eu nunca ouvi falar dele ou dela ( Nicola ??)
    Em relaçao ao seu artigo de hoje no DM - coluna política e justiça - só tenho a dizer: LAMENTÁVEL NÃO RECONHECER O ERRO , O ERRO ,O ERRO !!!! Sugiro que releeia os comentários acima e veja se algum é parecido com o que descreveu( `represálias miúdas,ameaças rudimentares e agressividade .. .)

    ResponderExcluir
  57. VAMOS IGNORAR ESTE JORNALISTA - PARA MIM ACABOU !!!

    ResponderExcluir
  58. Nathália Boaventura15 de fevereiro de 2011 03:30

    Meu Deus quanta falta de informação...Pelo que parece o Sr. nunca parou para observar o trânsito de Goiânia,se puder um dia fique em qualquer ponto desta cidade que a sua opinião sobre os agentes irá mudar com certeza,o Sr. começará a postar no seu blog pedidos urgentes de novos concursos para agentes de trânsito,pois eles são insuficientes perto de tantos infratores,vamos esquecer aquelas infrações distantes,olhe apenas cinto de segurança e celular,tenho medo de transitar em Goiânia tanto no meu veículo quanto a pé...Nunca senti repudio ao ver um agente pois sempre tento andar conforme a lei,pois ''EU'' fiz questão de estudar o código de trânsito para poder sair com meu carro as ruas.Meu filho quis prestar este último concurso da AMT e eu o aconselhei a não...os agentes não são valorizados,na hora das chuvas fortes quando nossos semaforos param de funcionar são eles é que estão lá de baixo do temporal para proteger nossas passagens e evitar acidentes,mas isso é de menos perto de tantos acontecimentos que a população ignora...lamento Rosenwal sua colocação,era sua ouvinte fiel,mas pude perceber que vc é mais ''um infrator contumaz que usa sua influência para prejudicar quem não te agrada''

    ResponderExcluir
  59. Sr. Rosenwal , como é bom ter certas influências né (conhecer autoridades, políticos)né ? Aproveita a mídia de todos os modos, por que não se preocupa em relatar assuntos importantes?Pois pelo que saiba, não só os agentes de transito, mais também os policiais militares, guarda municipais e etc, estão tentando colocar ordem na cidade, por que temos inúmeras pessoas como o Sr. que não tem o que fazer, e ainda criam polêmicas em torno, não só deste assunto do agentes de trânsito, mas de tudo o que possa gerar questionamentos para lembrarem do Sr.

    ResponderExcluir
  60. aquela velha e conhecida frase: voce sabe com quem esta "falando" a nem que vergonha em Rosenwal!!!!

    ResponderExcluir
  61. Quem mais reclama é só quem leva multaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa..... tem que multar mesmo... caneta neles agentes...


    PARABENS PELOS SERVIÇOS QUE VCS PRESTA......

    ResponderExcluir
  62. Rosenwal voce é péssimo!!! Ridiculo!!!! Vai se fuder!!!!!!!
    O pessoal da Amt trabalha muito aqui perto de casa e vejo como eles ralam!!!

    ResponderExcluir
  63. É ... vc é um bosta mesmo!!! MORRA!!!!!!

    ResponderExcluir
  64. O juiz João Carlos de Souza Correa, da 1ª Vara de Búzios (RJ), deu voz de prisão, na madrugada desse domingo, a uma agente de trânsito que trabalhava na Operação Lei Seca, na Lagoa (zona sul).

    O magistrado que dirigia um Land Rover preto disse que foi desacatado ao ser parado na blitz pela agente Luciana Tamburini. O juiz passou no teste do bafômetro, mas estava sem carteira de habilitação e o carro sem placa. A funcionária constatou na nota fiscal do veículo que o prazo para o emplacamento já estava vencido e ordenou que o carro fosse rebocado.

    Segundo Luciana, o juiz disse que não sabia do prazo de 15 dias para o emplacamento e lhe deu voz de prisão quando questionou o fato de um juiz "desconhecer a lei".

    Policiais que trabalham na operação, Luciana e o magistrado foram para a 14ª DP, no Leblon, também na zona sul. Ele no próprio carro que estava retido.

    Na delegacia, o juiz disse que não se negou a fazer o teste e que apresentou a documentação sem dificuldade. Já a agente disse que a prisão foi ilegal, pois estaria no exercício de sua função. Ela destacou ainda que o magistrado cometeu outra infração ao retirar o carro do local e conduzi-lo até a delegacia.

    O caso foi registrado como desacato na DP, mas Luciana disse que entrará com uma representação contra o juiz por abuso de autoridade.

    O carro de Correa foi rebocado, depois de registrada a ocorrência.

    ResponderExcluir
  65. Rosenwal, com todo respeito e considerando o seu know-how apresentado em seu perfil. Penso que tenha discernimento suficiente para não se deixar levar por emoções, tampouco pelo Empirismo ou Senso-Comum. Afinal o pilar do jornalismo investigativo, está em desvendar mistérios e fatos ocultos do conhecimento público.
    Pautados em sua criticas direcionadas a AMT, se assim a considera uma caixa de surpresas ou a caixa de Pandora, faça-se o interlocutor público á fomentar a humanização das relações da agência e a comunidade, desvelando a priore o que acontece nas ruas até a nos bastidores da AMT. Ouça desde o pessoal da limpeza até o Presidente do orgão, pois daí sim poderá tirar suas conclusões e fundamentar seus trabalhos através de pesquisas de campo na fonte.
    Não quero em momento algum desmerecer suas notas, pois concordo em partes do que você descreve - enquanto fatos isolados e que não representam uma totalidade. O principio da ação e reação deve ser observado não só pelos agentes públicos, mas pela sociedade em geral em suas condutas, pois afinal onde termina o meu direito começa o seu. Mas peço que procure desenvolver melhor seus comentários, pois do modo que escreve leva a crer que está focado a disseminar o ódio e desencadeando uma onda de animosidade local.
    Nossas competências não se restringirem meramente a fiscalização, mas a confecção de boletins de ocorrências de acidentes de trânsito sem vítima (BOAT), operações em porta de escola (Faixa de Pedestres), apoio a semáforos (mesmo que o contingente de 258 seja ínfimo perante aos mais de 500 equipamentos operantes), Atendimento de ocorrências de reclames via 0800-646-0118, apoio a obras em geral (Saneago, Celg, AMOB, EIT e outros) e ofícios público, privado ou oficial. Não se deixe levar pelas primeiras impressões á nosso respeito e entenda que a segunda atividade acima citada é a qual mais demanda pessoal e tempo hábil, sendo assim o termo “indústria da multa” não condiz com a realidade, uma vez que cruzamos a cidade de Norte a Sul, de Leste a Oeste, diversas vezes em busca de atender a Comunidade. Agradeço a contribuição pessoal de seus artigos, mas reluto em concordar contigo, por que sei que a realidade é bem diferente do que relata. Você é um jornalista combativo, propositivo e ímpar. E sei por ser assim, possa fazer diferente e abrir espaço para uma ampla problematização em um contexto maior. Contudo, lembre-se da dimensão que possui as palavras, pois delas se faz a paz e a guerra. E de modo algum o quero como inimigo, fazer ameaças ou terrorismo assim como você relatou que vem ocorrendo da parte dos agentes.Quero que você e a sociedade conheçam a nossa realidade e façam conosco, um trânsito melhor e mais humano.Nossa missão é difícil, mas não impossível!
    Nestes meus 12 anos de trabalhos nas ruas, só posso lhe assegurar duas coisas: De modo algum pretendo corrigir o comportamento das pessoas na base das autuações e por mais criticado que seja continuarei fazendo a minha parte, pois se almejo transformar o mundo que a transformação comece por mim. É com satisfação que acordo ás 05h40min e saio de casa para mais um dia de trabalho, na profissão a qual escolhi a contragosto de minha família e destoando da minha formação acadêmica. Todavia quero passar desapercebido quando houver calmaria e ser chamado quando assim for solicitado.

    ResponderExcluir
  66. (...) Um grande abraço e espero que juntamente a Agente Rodriana,o presidente da AMT,Jornalistas e a sociedade sejamos multiplicadores do trânsito e não o divisor de águas enquanto tema transversal.

    ResponderExcluir
  67. Não iria mais comentar, no entanto, seria injusto da minha parte não ressaltar que, se a caneta do jornalista pesou na hora da escrita dos artigos, suas palavras foram mais amenas com a categoria, conforme você mesmo citou. O ato de julgar é muito complexo.
    Aqui tivemos oportunidade de ler o que queríamos e o que não queríamos. Colocamos democraticamente nosso ponto de vista e, espero que tenhamos conseguido mostrar que estamos numa árdua missão trabalhando com seriedade e honestidade acima de tudo.
    Após passada essa tempestade, fica a impressão que sua imagem da categoria mudou. Não queremos que se cale diante dos abusos, do autoritarismo, da arrogância de ninguém, muito embora espero que isso nunca venha a acontecer.
    Meu colega que me antecedeu na última postagem também teceu um comentário bastante sóbrio e equilibrado. Quero também fazer minhas as palavras dele.
    Precisamos nos unir na busca de um trânsito mais humano, trocar ideias, compartilhar opiniões, debater os temas, enfim, produzir conhecimento pelo bem da cidade e das pessoas.
    Também coloco-me à disposição. Meu perfil aqui é verdadeiro, assim como o e-mail da conta e telefone celular colocado quando postei uma mensagem na Radio Sucesso.
    Tudo de bom.

    ResponderExcluir
  68. É CADA UMA QUE A GENTE TEM DE LER : QUAl é a dessa guardinha defendendo os guardinhas, e ainda mais, comparando a polícia brasileira com a brasileira ?:?:^Ç`^Ç?:?:^Ç`P^Ç?:?:^Ç`P:?:?:? deve ser mesmo um guardinha otário.

    ResponderExcluir
  69. comparando a polícia brasileira com a americana????

    ResponderExcluir
  70. Vejo aqui tantas defesa e justificativas dos agentes da AMT, porém julgo as mesmas INDEFERIDAS, pois é assim que os mesmos fazem.

    Fui atuado na referida rua 15 c/ Av T-9 no setor Marista, porém isso aconteceu por pura falta de atenção da AMT, pois se o agente (cod. 293730) deste referido Orgão estivesse atento ele veria que não fiz nenhuma conversão a esqueda (como diz no auto de infração) estava eu apenas estacionando o meu veículo bem em frente a eles (+/- uns 8 (oito) agentes) em local permitido, porém um dono da razão achou por bem lavrar uma multa por conversão a esquerda, isso é um absurdo.
    Não duvido que tenha pessoas boas e prestativas na AMT, porém como sou um bom condutor, respeito as leis e tenho amor pela minha vida, estou pagando pelos maus, pelos que não cumpre os seus deveres, infelizmente os bons agentes também serão condenados pelo ruins.
    Agentes da AMT, pare de se justificar e preste mais atenção em seu serviço, faça a lei valer, mas faça com a certeza que estão sendo corretos.

    Ass: Junior.

    ResponderExcluir
  71. É pessoal, os agentes fazem dos nossos bolsos e das nossas pontuações o que eles querem. Rosenwal, concordo com tudo que vc disse e assino em baixo,,com a canetinha na mão tudo fica mais fácil...AGENTES SAFADOS...

    ATT;

    Douglas

    ResponderExcluir
  72. Texto que é pura expressão da verdade. Atualmente está bem pior, os agentes estão nas ruas mais histéricos do que nunca. Canetando sem dó, com uma interpretação cada vez mais cruel, sem nenhum compromisso com a verdade ou o bem estar social. Não contribuem em nada com a fluidez no trânsito, nem com a educação dos motoristas. Não merecem o dinheiro pago pelo trabalho porco que fazem. Parabéns, Rosenwal, pela coragem.

    Ubiratan. Setor Bueno.

    ResponderExcluir
  73. Quero aqui deixar minha insatisfação com o trabalho da AMT, AGETOP e outros orgãos da FABRICA DE FAZER DINHEIRO, sucumbindo do proximo. Recebi uma multa por não usar o cinto de segurança em Jaragua-Go. Nunca fui nesta cidade e fui multado. Recebi mais cinco multas em ruas que nem pessoas passam, ruas isoladas e outras porque algum agente da AMT esta com o numero da minha placa e sempre ele me da um jeito de gastar dinheiro. Isso é cumprindo com o seu trabalho para atingir a sua meta de MULTA.

    ResponderExcluir